Propuesta Educativa 39
::
buscar avanzada
 

 


Artículos

La Construcción del conocimiento histórico. Por Mario Carretero, José Antonio Castorina, María Sarti, Floor van Alphen y Alicia Barreiro

Extracción social y condiciones de vida de los docentes en Argentina. Por Ricardo Donaire

A historicidade da pesquisa em política educacional: o caso do Brasil. Por Nora Krawczyk

 


Investigadores jóvenes

Violencia, racismo y escuela. El caso de los alumnos tipificados como violentos. Por Pablo Di Napoli

Escuela Secundaria, Participación Política y Movimiento Estudiantil. Articulaciones conceptuales y actores para el caso de la provincia de Buenos Aires. Por Marina Larrondo

Picardías tácticas. Procesos sociolingüísticos-pedagógicos rurales en Santiago del Estero, Argentina. Por Héctor A. Andreani

Categorías nativas de política: reflexiones en torno a las representaciones de docentes de escuelas secundarias. Por Silvia Alucin

 

 

contacto

contacto
cómo publicar
suscripción

A historicidade da pesquisa em política educacional: o caso do Brasil

 


 
O caráter político
 
Podemos dizer que a pesquisa em educação começou a consolidar-se no Brasil como um campo de estudo a partir na década de 40 do século XX, aproximadamente, com a criação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – INEP — e suas regionais em diferentes lugares do país. “... a construção do pensamento educacional brasileiro, mediante pesquisa sistemática, encontrou espaço específico de produção, formação e estimulo” (Gatti, 2001: 65).
 
Já nessa época, adquiriu um caráter político, sociológico e histórico. A preocupação passou do indivíduo, por meio do estudo psicopedagógico da aprendizagem, para a preocupação em compreender a relação entre educação e sociedade, com a intencionalidade de discernir qual é a função da educação nas relações sociais no País (Gatti, 2007). O clima político da época era extremadamente fértil para incentivar esse tipo de preocupação. O crescimento da industrialização, a partir da década de 1930, produziu um aumento importante das pressões sociais pela educação pública e, principalmente, pela formação dos trabalhadores. Nessa época, foi criado o Ministério de Educação e Saúde, como uma expressão de que a educação pública começava a ser reconhecida como uma questão nacional, ainda que isso não tenha significado, necessariamente, a responsabilização do estado nacional pelo provimento de ensino público.
 
Na sequência, tivemos uma série de fatos históricos no Brasil que demonstram a arena de conflitos que se tornou a educação pública no âmbito nacional. Entre eles, o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, que apontava a necessidade de constituição de um sistema educacional, a Constituição de 1934, que colocava a importância de definir diretrizes nacionais para educação, o longo processo de tensões de
mais de uma década para a promulgação da primeira Lei de Diretrizes e Bases, o desenvolvimento do sistema de educação profissional, mas com transferência desse encargo para o setor privado, etc.
PDF
  Año 27 / NOV / 2018.02
contactocontacto cómo publicarsuscripción