Propuesta Educativa 41
::
buscar avanzada
 

 


Artículos

Lo que la escuela no mira, la AUH "non presta". Experiencia escolar de jóvenes en condición de vulnerabilidad social. Por Nora Gluz y Inés Rodríguez Moyano

Comprensión moral de la Conquista de América: Creencia en un mundo justo y narrativas históricas. Por María Sarti y Alicia Barreiro

Tempo de escolarização e civilidade da criança na literatura brasileira. Por Magda C. Oliveira Sarat y Nubea Rodrigues Xavier

Experiencias estudiantiles de adolescentes rurales en México: una mirada a su diversidad. Por Alejandro Reyes Juárez

 


Investigadores jóvenes

¿Capacitar para la competitividad o promover los derechos? Retóricas de la formación profesional desde un análisis de género. Por Verónica Milenaar

 

 

contacto

contacto
cómo publicar
suscripción

Tempo de escolarização e civilidade da criança na literatura brasileira

 


 
Rememorar a infância pode nos remeter a uma concepção do tempo de ser criança diferente do que é determinado pelo calendário ou pelo relógio, o tempo cronos característico do universo adulto e das obrigações cotidianas. Tais lembranças, geralmente, recaem nos espaços de convivência que foram vivenciados em grupos sociais como a família, a escola, a igreja, os vizinhos, enfim, tempos de formação no qual estavam presentes elementos como a ludicidade, os aprendizados e todas as experiências de origem.
 
Portanto, rememorar se insere em uma história coletiva, ainda que lembrada individualmente, é resultado de experiências vividas em determinado tempo e espaço, seja na família, na escola, no bairro, na cidade, no campo por fim, nos grupos de pessoas do qual a criança faz parte. Tais elementos são marcados por um processo histórico e cultural através de um tempo cronológico e envolve cultura e grupo social.
 
Neste contexto, levantamos a questão: Qual a concepção de crianças brasileiras, uma vez formado parte de sua experiência de escolaridade nas origens da formação do sistema educacional no início do século XX? Tal educação pode ser percebida nos fragmentos das obras literárias analisadas neste trabalho.
PDF
  Año 27 / NOV / 2018.02
contactocontacto cómo publicarsuscripción